7 Dicas Rápidas Para Gerenciar Finanças no Casamento

Falar sobre finanças e casamento é um daqueles tópicos polêmicos que suscitam respostas que variam de "É um assunto que evitamos" a "Nosso orçamento doméstico é totalmente transparente".

Muitos casais têm problemas financeiros em seu casamento; na verdade, o dinheiro está em terceiro lugar na lista de motivos pelos quais os casais se divorciam, depois de problemas de comunicação e infidelidade.

O dinheiro não precisa ser a raiz de todos os males, especialmente no que diz respeito ao seu casamento. Se você fizer algum trabalho preventivo, poderá administrar quaisquer problemas financeiros que possam ocorrer em seu casamento.

Aqui estão várias dicas para ajudá-lo a reduzir ao mínimo as discussões sobre finanças, começando com exercícios para fazer antes de dizer "sim".

7 Dicas Rápidas Para Gerenciar Finanças no Casamento

1. Comece a falar sobre dinheiro antes do casamento

Você pode fazer isso sozinho, mas se estiver participando de um aconselhamento pré-marital, deixe seu conselheiro guiar essa discussão.

Você precisa revelar as dívidas que já tem, como empréstimos estudantis, empréstimos para automóveis ou casa e dívidas de cartão de crédito.

Se este não for seu primeiro casamento, compartilhe com seu parceiro quaisquer obrigações de pensão alimentícia que você tenha. Fale sobre suas contas bancárias e o que elas contêm: conta corrente, poupança, investimento, etc.

Decida como suas finanças serão administradas quando você se casar: contas conjuntas, contas separadas ou ambas?

2. Examine sua relação com o dinheiro

Você e seu parceiro têm opiniões divergentes sobre dinheiro? Um de vocês é um poupador e o outro um gastador?

Se você não está alinhado com a forma como acha que seu dinheiro deve ser gasto (ou economizado), precisa trabalhar para encontrar um sistema de gestão financeira que satisfaça a ambos.

Você pode decidir sobre um limite de gastos, digamos 100,00, e qualquer valor acima desse valor precisa de pré-aprovação mútua antes de o item ser comprado.

Se você preferir não ter que construir um consenso para grandes compras, convém manter contas separadas e autofinanciadas de “dinheiro virtual”, para serem usadas quando você quiser algo para si mesmo, como roupas ou um videogame.

Isso pode ajudar a reduzir as discussões, já que você não está usando o dinheiro do pote comum.

3. Use cartões de débito em vez de cartões de crédito para despesas

Fará diferença em como seu orçamento familiar é administrado se seus salários diferirem significativamente? Algum de vocês tem vergonha de como gasta seu dinheiro?

Você já, no passado, escondeu alguma compra ou ficou endividado em cartão de crédito devido a gastos excessivos? Se for esse o caso, talvez cortar seus cartões de crédito e usar apenas cartões de débito faça sentido financeiro para você.

4. Defina metas de curto e longo prazo para seu dinheiro

Você deve concordar em economizar para a aposentadoria e estabelecer um fundo de emergência em caso de perda do emprego. Quanto vocês gostariam de colocar em uma conta de poupança a cada mês?

Discuta como vocês podem economizar para a compra de sua primeira casa, compra de um carro novo, férias ou propriedade de investimento.

Vocês concordam que estabelecer um fundo de faculdade para seus filhos é importante?

Revisite suas metas financeiras de curto e longo prazo pelo menos uma vez por ano para que você possa fazer um balanço e avaliar se essas metas evoluíram (ou, melhor ainda, foram alcançadas!).

5. Discuta a contribuição para ajudar os pais

Fale sobre qual será sua contribuição para ajudar seus pais, agora e no futuro, quando as necessidades de saúde deles aumentarem.

Seja transparente ao “presentear” um membro de sua família com dinheiro, principalmente se esse membro depende de sua generosidade em vez de conseguir um emprego para si mesmo.

Certifique-se de que seu cônjuge está ciente e concorda com este acordo.

Discuta as necessidades dos pais idosos e se você estaria aberto para levá-los para mais perto de você ou até mesmo para sua casa. Como isso afetará sua situação financeira?

6. Decida o arranjo financeiro para as crianças

O que você acha sobre as mesadas? As crianças devem ser recompensadas por tarefas que contribuem para o bom funcionamento da casa? Quando tiverem idade suficiente para dirigir, devem receber um carro ou trabalhar para isso?

Os adolescentes devem trabalhar meio período enquanto ainda estão na escola? E a faculdade? Eles devem ajudar a contribuir para as mensalidades? Fazer empréstimos estudantis? E depois de se formarem na universidade?

Você continuaria a permitir que vivessem sem ajudar financeiramente em casa? Você ajudaria com o aluguel do primeiro apartamento ou casa?

Todos esses são bons tópicos para discutir com seu cônjuge e revisitar à medida que os filhos crescem e sua situação financeira muda.

7. Discuta as despesas se apenas um dos cônjuges ganha para o sustento da família

Ter um cônjuge que fica em casa e um assalariado às vezes pode levar a conflitos de dinheiro, pois o assalariado pode sentir que deveria ter mais voz sobre como o dinheiro deve ser administrado na família.

É por isso que é essencial para a pessoa que fica em casa ter algum tipo de trabalho em que também tenha uma sensação de controle sobre o dinheiro.

Há muitas possibilidades para os cônjuges que ficam em casa conseguirem um pouco de dinheiro: venda no mercado livre, redação freelance, aulas particulares, creche em casa ou babá, venda de artesanato ou canal no Youtube e etc.

O objetivo é sentir que também participam da saúde financeira da família e ter um pouco do próprio dinheiro para fazer o que quiserem.

O assalariado precisa reconhecer a contribuição do não assalariado. Ele mantêm a casa e a família funcionando e, sem essa pessoa, o assalariado teria que pagar alguém para fazer isso.

Vocês são uma equipe em pé de igualdade e, mesmo que apenas um de vocês trabalhe fora de casa, vocês dois trabalham.

Examinar as finanças de seu casamento pode ser uma área delicada, mas a melhor coisa que você pode fazer é ser aberto, honesto e dedicado à comunicação contínua sobre esse assunto.

Comece seu casamento com o pé direito, falando sobre boa administração financeira e elaborando um plano razoável para lidar com orçamentos, gastos e investimentos.

Estabelecer bons hábitos de administração do dinheiro no início do casamento é parte integrante de uma vida saudável, feliz e financeiramente estável juntos.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem